Gráfico de ações no Home Broker
Na semana passada o principal índice da B3 ultrapassou os 102 mil pontos. Bateu o recorde anterior e já atinge a maior pontuação de sua história. Tudo isso em função da conjunção de alguns fatores que iremos falar aqui.

O primeiro e mais importante foi o cenário internacional sem surpresas, com possibilidade de incentivos e afrouxamento quantitativo (QE) por parte da Europa e possível queda de juros nos Estados Unidos. A guerra comercial entre China e EUA, embora não tenha sido solucionada, mostra o mercado já considerando isso precificado e não parece se agravar além do que já foi. Há algo novo em relação à tensão entre EUA e Irã, com consequências ainda imprevisíveis e que pode fazer o petróleo disparar, possivelmente ajudando os países como o Brasil, dependente de commodities.

O segundo fator é a reforma da Previdência. O mercado está fazendo a leitura de que alguma reforma irá passar até início do segundo semestre. Houve um acordo na comissão, excluindo alguns pontos polêmicos, como capitalização, BPC, aposentadoria rural e mudança nas regras de transição para servidores públicos. Mesmo sendo um relatório costurado pelo próprio governo, o Paulo Guedes ainda não desistiu de alguns pontos que ele considera essencial.

O vazamento de mensagens entre os integrantes do Ministério Público e o agora Ministro Moro seria um terceiro ponto relevante nesse cenário e, por enquanto, não teve nenhum efeito nas cotações dos ativos. É certo que o Sérgio Moro e o Paulo Guedes são os principais pilares desse governo e a queda de um deles abala a confiança e a credibilidade. Segundo o site Intercept Brasil, que vem divulgando as mensagens, muito material ainda vai ser divulgado. Recentemente, o referido site fez acordo com a Folha de São Paulo e a Band, para compartilhar essas informações. Isso pode atingir mais público e começar a fazer estrago e forçar um afastamento do Ministro. 

É possível e até esperada uma correção no índice nos próximos dias, até para permitir que novos entrantes possam encontrar seu melhor ponto de compra. A verdade é que olhando para a maioria dos ativos, eles já fizeram o movimento esperado e muitos estão chegando aos seus topos históricos. Resta pouca coisa a ser capturada. Necessário muita cautela para encontrar algum ativo ainda atrasado no rali recente.

Especialmente para aqueles adeptos do swing trade, como é o meu caso, para curto ou médio prazo, vários ativos já estão alcançando os pontos de saída e pode estar chegando o momento de realização de lucros. A velha máxima de "lucro bom é lucro no bolso" nunca fez tanto sentido como agora.

Diante de toda essa alta, teria algum ativo com potencial para surfar o rali no curto prazo? Entendo que sim e vou exemplificar. Acho que a VALID (VLID3) é uma delas. A empresa tem bons fundamentos, o seu valuation não está ainda esticado, com P/L em 11,82, P/VP em 1,02 e P/Ebit de apenas 5,82. O dividend yield é de 5,3% e ainda não distribuiu proventos em 2019. Entendo como ótima alternativa para o momento e graficamente tem alvo acima de R$ 20,00. A entrada seria ao preço de até 15,80, com alvos em 18 e 20, caso opte por realização parcial. Um ótimo retorno. VLID3 é a nova ação da "Carteira Economia de Palito", adicionada na sexta-feira passada.

Ativo
Entrada na Carteira
Preço de Entrada *
Preço Atual
Var. %
Peso na Carteira
Retorno para a Carteira (%)
OIBR4
08/02/2019
1,45
1,63
12,41%
5,00%
0,62%
CIEL3
14/02/2019
10,66
7,28
-31,73%
13,50%
-4,28%
KROT3
15/02/2019
11,57
10,87
-6,08%
13,50%
-0,82%
VLID3
21/06/2019
15,50
15,60
0,65%
5,00%
0,03%
Capital a Alocar (Renda Fixa)

-
-
0,00%
63,00%
0,00%
Carteira
-
-
-
-4,45%
-
-4,45%


IBOV
08/02/2019
95.343
102.012
6,99%
-
-

Posições Encerradas





Ativo
Entrada na Carteira
Preço de Entrada *
Preço de Saída
Lucro (%)
Data da Saída
WIZS3
26/02/2019
6,93
9,40
35,64%
20/05/2019