Juros Baixos: Onde Aplicar?

Na semana passada o COPOM - Comitê de Política Monetária do Banco Central baixou a taxa básica de juros, a SELIC, para 5,5%, o menor patamar desde que a taxa foi criada. O Comitê entendeu que o cenário para a inflação é benigno e o cenário externo permite esse afrouxamento. O que isso implica para o investidor? Quais as consequências macroeconômicas que influenciam os investimentos com esse novo cenário de juros menores? A primeira implicação é que a renda fixa de um modo geral renderá menos. Os títulos do Tesouro Direto renderão menos, pois de uma forma ou de outra estão atrelados a essa taxa. O Tesouro Selic rende a taxa efetiva. Os…

Continuar Lendo »

Amazon está Vindo com Tudo!

Foi anunciado ontem um plano agressivo da Amazon para o Brasil. Ela ofereceu um plano de assinatura incluindo streaming de vídeo, acesso ao Amazon Music, ao Prime Reading, frete grátis para uma infinidade de produtos, além de disponibilizar acesso a jogos. Tudo isso por apenas R$ 9,90. Caso o assinante opte por um plano anual, o valor fica ainda menor, apenas R$ 89,90 por ano ou R$ 7,50 por mês. É um plano muito ousado e agressivo e deve incomodar aos concorrentes em suas respectivas áreas. O serviço de streaming de vídeo concorrerá diretamente com a Netflix e cujo preço é um terço daquele. O aplicativo está disponível na Apple Store,…

Continuar Lendo »

A (In)dependência do Brasil e a Sua

Ontem, dia 7 de setembro foi o dia da Independência do Brasil. É algo simbólico, mas sempre lembrado como aquele dia em que a nossa nação tornou-se um país livre do mando do nosso colonizador, Portugal. A partir daquele momento, ganhou a prerrogativa de se autodeterminar. Mas somos mesmo independentes? E a que tipo de dependência estamos hoje sujeitos? Somos um país realmente livre e senhor do seu destino? Na verdade, com a globalização e a ampliação do comércio internacional todos os países "perderam" um pouco da sua autonomia e, por que não dizer, da sua soberania, pois não podem e não são autossuficientes em tudo. Depende…

Continuar Lendo »

Divulgação da Carteira

Desde 10 de fevereiro de 2019 que decidi tornar públicas algumas operações de compra de ações, de ativos com estão de verdade na minha carteira pessoal. Comecei com OI, depois outras com KROT3, WIZS3 etc, e assumi comigo mesmo e com os leitores do blog que os informaria sobre cada passo do que faria com o ativo até a sua venda e exclusão da carteira. O objetivo nunca foi se vangloriar das vitórias e dos acertos. Isso é até bom para o ego, mas não seria verdadeiro. Então me expus com operações até arriscadas com a OI, e me sujeitei aos riscos reais do mercado e à exposição. Minhas escolhas poderiam dar errado, gerar prejuízo e talvez f…

Continuar Lendo »

Desisti da OIBR4 e com Lucro!

Como divulgado anteriormente aqui no blog, tinha uma posição em OIBR4, cujo preço médio está em R$ 1,45. O racional por trás desse investimento seria a expectativa de conclusão da recuperação judicial, reequilíbrio da empresa e geração de valor para o acionista. Mas o resultado do 2º trimestre/2019 fez o mercado duvidar da capacidade da OI de se reerguer e tornar-se lucrativa. E eu também. O caixa da empresa vem sendo queimado a cada trimestre e a conta não fecha. A empresa ficou dependente de venda de ativos para voltar ao equilíbrio. E por conta da concessão e das regras inerentes aos contratos a que está sujeito, necessita de um novo m…

Continuar Lendo »

Realizei lucro no Dólar

Em posts anteriores mencionei a necessidade de manter um seguro para o caso de alguma crise ou estresse no mercado, em contraponto à posição em renda variável. Seria uma forma de se proteger, caso haja uma crise sistêmica ou mudança completa de cenário, que afete todos os ativos. No meu caso específico, optei por manter uma parte do capital em um fundo cambial lastreado em dólar. Apliquei no referido fundo quando o dólar estava em R$ 3,85, em meados de junho/2019 e havia mantido até ontem. Devido ao aumento dos riscos tanto internos como externos, fatos acompanhados por todos no noticiário e nos portais especializados, o dólar atingiu…

Continuar Lendo »

Estou de Volta e o Momento Requer Cuidados!

Estive afastado do blog por um tempo, mas estou de volta. Desde o último post publicado no final de junho, muita coisa ocorreu no mercado. O topo histórico do principal índice da nossa bolsa foi atingido em 106 mil pontos em julho para depois corrigir abaixo de 100 mil. O cenário já esteve melhor para a renda variável. Mesmo os juros tendo sido cortados pelo Banco Central e alcançado a mínima histórica, riscos externos fizeram todas as bolsas mundiais corrigirem, e a nossa não foi diferente. Vários ativos atingiram máximas históricas e deram oportunidade de realizar lucro. Como exemplo, podemos citar a KROT3, o BIDI4, a MGLU3 e muitos…

Continuar Lendo »

Ibovespa em Recorde Histórico e Novo Ativo na Carteira

Na semana passada o principal índice da B3 ultrapassou os 102 mil pontos. Bateu o recorde anterior e já atinge a maior pontuação de sua história. Tudo isso em função da conjunção de alguns fatores que iremos falar aqui. O primeiro e mais importante foi o cenário internacional sem surpresas, com possibilidade de incentivos e afrouxamento quantitativo (QE) por parte da Europa e possível queda de juros nos Estados Unidos. A guerra comercial entre China e EUA, embora não tenha sido solucionada, mostra o mercado já considerando isso precificado e não parece se agravar além do que já foi. Há algo novo em relação à tensão entre EUA e Irã, com co…

Continuar Lendo »

Para onde irá a CIELO?

No artigo " A CIELO sob Forte Concorrência ", publicado aqui no blog em abril/2019, mencionei que os fundamentos para a CIELO, principalmente no médio prazo haviam mudado para pior. A forte concorrência comprometeria as margens e também o lucro da CIELO em 2019. Depois da divulgação do artigo, outras notícias negativas vieram a público: a empresa anunciou a descontinuidade do Guidance e a diminuição dos proventos para 2019. O Guidance são as perspectivas da empresa para as suas atividades em um determinado período. Ao descontinuar o guindance, a empresa reconhece que não atingirá as metas pré-estabelecidas de faturamento, lucro,…

Continuar Lendo »