Ativos com Eventos Importantes no Radar

A bolsa brasileira tem apresentado uma boa performance nas últimas semanas e desde 20 de maio vem numa trajetória de alta quase sem correção. Desde o fundo em 77 mil pontos em 18 de maio até o fechamento em 96,5 mil, ontem, 19 de junho, uma alta de mais de 25%.   Nesses níveis parece ter perdido força, mesmo com o corte de juros anunciado essa semana pelo COPOM. A maioria das ações subiu e pelo menos para o curto a médio prazo, não há muita assimetria a ser buscada, diante do fraco desempenho da economia e dos resultados ruins divulgados, devido à crise do coronavírus e suas consequências.   Como relatei no último post, "Renda Variáv…

Continuar Lendo »

Renda Variável Compulsória?

Ontem o COPOM - Comitê de Política Monetária cortou novamente a taxa SELIC para novo patamar mínimo histórico de 2,25% ao ano.   O impacto dessa decisão é que a renda fixa que já estava pouco atraente, em alguns casos vai render abaixo da inflação, como é o caso da velha poupança. O rendimento real será negativo, ou seja, ao optar por essa modalidade, o investidor perderá poder de compra. Parece haver aqui um interesse em empurrar os consumidores a gastarem, ao invés de poupar, para tentar pegar a economia no tranco, pois na chave já não está mais indo. A bateria arriou.   O Tesouro Direto também não fica muito atrás. O Tesouro Selic que …

Continuar Lendo »

Por que Alguns Ativos Parecem Baratos, Mas Não Estão

Ao observar e analisar alguns ativos na B3 e depois das quedas fortes que ocorreram em março, já parcialmente recuperadas, ainda vemos ativos com múltiplos que parecem indicar que estão descontados.   Para quem não está familiarizado com a análise fundamentalista, múltiplos são indicadores calculados a partir das métricas divulgadas no balanço e na DRE das empresas. Como exemplo, podemos citar o P/L (preço/lucro), o P/VP (preço/valor patrimonial), P/Ebit (preço/Ebit) etc. No caso do P/L, o mais utilizado, quanto menor ele for, em menos tempo eu recupero o valor investido quando da compra da ação. Ideal comprar com P/L abaixo de 10 ou até meno…

Continuar Lendo »

O Conceito da Sabedoria Convencional

O economista, filósofo e escritor americano John Kenneth Galbraith, explanou em seu livro "A Sociedade Afluente" um conceito interessante  perfeitamente aplicável à atualidade, chamado "Sabedoria Convencional".   Para ele, a sabedoria convencional é aquela força que impele o "status quo" a defender as ideais estabelecidas como verdade e aceitas pela elite influente. Persiste entre os defensores uma certa teimosia na manutenção das ideias amplamente aceitas e que mantém uma certa estabilidade. Muitas vezes a retórica dos defensores prega a inovação e as novas ideias, mas apenas para enfatizar e reforçar os velhos …

Continuar Lendo »

O Fator Tempo ou a Paciência nos Investimentos

Nesses tempos de incerteza diante do cenário de crise provocada pelo novo coronavírus e do impacto na economia, nos empregos e em última instância no lucro das empresas, não tem sido fácil ganhar dinheiro na renda variável.   Aliás, não falo nem em ganhar, mas em recuperar o que já perdemos e tentar preservar o capital. Lembramos das lições dos mestres do investimento sobre as duas regras: a primeira é não perder dinheiro; e a segunda é não esquecer a regra número um.   Pois bem. Mesmo para aqueles que não são investidores de longo prazo ou mesmo buy and hold, os chamados trades, o fator tempo tem sido crucial para minimizar os prejuízos.…

Continuar Lendo »

O fenômeno da "Memória Compradora" e o Risco que Isso Embute

Nesses tempos de completo descolamento do preço com os fundamentos na bolsa de valores, os investidores e especuladores buscam formas de recuperar o dinheiro perdido com as quedas recentes e continuar adicionando valor ao seu patrimônio. E uma das formas que dispõem para realizar operações na bolsa é escolhendo ativos que tem alta volatilidade e sempre atraem muitos compradores, gerando liquidez e recuperação rápida de preços. O que eu denomino de "Memória Compradora" é o comportamento dos investidores em adquirir ativos com alta volatilidade histórica e que voltam rapidamente aos seus patamares anteriores de preço, por meio de …

Continuar Lendo »

Resiliência Insensata

Os sistemas complexos são aqueles compostos de muitas variáveis e componentes que se interrelacionam e que provocam o que os estudiosos chamam de equilíbrio instável. São dinâmicos e, a cada perturbação, rearrumam-se e se reorganizam em um novo equilíbrio dinâmico. Pela complexidade de suas relações e interações, são difíceis de serem reproduzidos em laboratório e não permitem que se construa um modelo teórico que os represente com perfeição. Eles são denominados de sistemas não-lineares, principalmente porque não há relações claras de causa e efeito e pequenas mudanças no estado atual podem provocar modificações radicais que o impele a u…

Continuar Lendo »

O Mercado Voltou às Compras Como se Não Houvesse Amanhã!

Desde o fundo de 18 de março, próximo a 61 mil pontos, o Ibovespa já recuperou uma parcela significativa e já atingiu por volta de 82 mil pontos. No momento em que escrevo está por volta de 78 mil pontos. Os investidores, muitos induzidos pelas corretoras e analistas de mercado, entenderam que todas as informações negativas já estavam no preço e voltaram às compras, elevando as cotações da maioria dos ativos. Mas será que já sabemos dos estragos que essa crise provocará? A resposta bastante óbvia é que não sabemos. O lockdown ainda nem tem data para acabar e, mesmo que tivesse, qualquer prognóstico sobre os seus efeitos seria prematur…

Continuar Lendo »

Depois do Crash Recente é Hora de Comprar?

Quem investe em renda variável e está acompanhando o mercado, presenciou a maior baixa das ações em curto espaço de tempo. A maior desde a crise da Rússia em 1997, se não me engano. Na B3, os mais de um milhão de novos investidores certamente estão passando por um batismo de fogo, pois vinham de um bull market começado em 2016 e não sabiam o que era tendência de baixa. Benvindos à renda variável. As ações não sobem para sempre e todos sabem disso. Mas agem e investem como se não soubessem. São os vieses comportamentais que temos quando investimos. Mesmo os mais experientes, dificilmente estão incólumes a esse crash atual. Podem estar no n…

Continuar Lendo »

Viva a liquidez!

No meu último post publicado no final de dezembro mencionei que havia praticamente desmontado a carteira de ações, que chegou a ter 12 ativos. O motivo foi por entender que o bull market poderia dar sinais de cansaço na virada para janeiro/2020, diante de um rali bastante forte não só em ativos isoladamente, mas no principal índice que chegou a atingir quase 120 mil pontos. E o mercado não precisa de motivos para correções. Os analistas é que tentam achar uma justificativa ou uma relação de causa e efeito. De fato, o ano começou com acontecimentos que mexeram com o cenário internacional, a começar pela crise com o Irã e depois com o sur…

Continuar Lendo »

Decidi Praticamente Zerar Minha Carteira

Ibovespa na sua máxima histórica. Juros nas suas mínimas. O ditado diz que você deve vender quando todos estão otimistas e deve comprar quando todos estão pessimistas. Não vejo sangue nas ruas. Vejo euforia. Então é óbvio que algo pode estar errado. A economia vem dando sinais de que o pior já passou, mas não deslancha. Devemos crescer somente 1% em 2019. Um crescimento vigoroso pode estar a caminho mais já deve estar quase totalmente precificado. Não podemos esquecer que a bolsa sobe no boato (ou expectativa de dados bons) e desce no fato (quando o crescimento estiver consolidado). A bolsa se expandiu fortemente no ano que se encerra…

Continuar Lendo »

Não se Envergonhe por Mudar de Ideia

Michel de Montaigne, filósofo e humanista francês, considerado o inventor do ensaio pessoal, considerava que o homem não tinha uma constância fixa. As ações humanas e seus comportamentos variavam de acordo com as circunstâncias presentes no momento da ação. E que a mesma pessoa pode agir diferente, dado que as circunstâncias mudam e nós também, dada a natureza fluida do nosso eu. Extrapolando esse raciocínio para o nosso dia-a-dia, não faria sentido em revisar ideias e textos passados escritos por nós, porque éramos outra pessoa quando os escrevemos e o fizemos com base no nosso entendimento daquela época e com as informações então dispon…

Continuar Lendo »

Uma pitada de Longo Prazo na Carteira

Definitivamente, em 5 anos operando na bolsa de valores, já me conheço para saber que não sou um investidor de longo prazo ou "buy and hold". Entendendo investidor de longo prazo como aquele que mantém a posição nas empresas em que investe por tempo indeterminado, buscando lucro por meio de dividendos e de valorização dos ativos ao longo do tempo. O fato de não aderir a essa modalidade é por não acreditar no modelo. Ao observar o mercado e perceber os seus ciclos, vejo que essa valorização pode estar concentrada em pouquíssimos papéis e quando surgem crises e fatos negativos para a renda variável, todos corrigem e abrem oportunid…

Continuar Lendo »

Diferentes Modalidades na Renda Variável

Há uma diferença óbvia de abordagem na compra de ações a depender de qual investidor você é: fundamentalista ou trader. O fundamentalista costuma não concentrar muito em preço na hora de escolher uma ação para comprar. Ele foca no valor, no que está pagando em termos de retornos futuros. O preço de entrada só é importante para ele ao compará-lo com o valor projetado, considerando o crescimento dos lucros futuros e a geração de valor ao acionista ao longo do tempo. Existindo margem de segurança, ou seja, diferença entre o preço e o valor, faz sentido a adição do ativo na carteira. Para o trader, o foco é outro. O prazo aqui é curto a m…

Continuar Lendo »

Uma Técnica Para Previsões de Mercado

Já escrevi antes aqui no blog que entendo ser vantajoso assinar uma ou mais casas de análises (Research), pois são úteis ao aprendizado do investidor iniciante e até do intermediário. Ajuda na montagem de uma carteira e ensina conceitos importantes da área. No início desse blog, opinei sobre algumas casas de análise que conhecia e apontei vantagens e desvantagens em cada uma. O artigo é esse: " Vale a Pena Contratar uma Casa de Análise de Investimentos? " Mais recente postei sobre isso, revelando que " Voltei a Assinar a Empiricus ". E uma das newsletters que assino é a série "Strategic Intelligence", esc…

Continuar Lendo »